Infancialização, Ubuntu E Teko Porã: Elementos Gerais Para Educação E Ética Afroperspectivistas

Publicado em 22 de maio de 2019 às 5:36 PM por Carlos Antônio Barros de Oliveira

CONTEÚDO: Este artigo propõe uma abordagem pouco comum sobre a infância e as dinâmicas das ações do cotidiano escolar. Partindo do pressuposto que a infância é um conceito polissêmico, convidamos à reflexão do conceito de infancialização como possibilidade de rompimento com as práticas atuais de experimentação da realidade, a partir de orientações filosóficas africanas e indígenas. Para tal, será estabelecido o diálogo com a filosofia africana Ubuntu e indígena Teko Porã com objetivo de trazer – ao âmbito educacional – as relações de construção do indivíduo na coletividade, reconhecendo e respeitando a diversidade numa visão planificada, onde os seres vivos vivem numa relação de interdependência. Tais conceitos abandonam a perspectiva colonizadora de que somos preparados para dominar, enfatizando que seres humanos, animais não humanos e o meio ambiente não estão à disposição e devemos tratar os seres vivos sem utilitarismo, ou seja, como parte de nós. OBJETIVO(S): Proporcionar reflexões acerca dos conceitos e infância para além da normatividade eurocentrada e historicamente dominante na ciência ocidental.

  • Ensino Superior
  • Ciências Agrárias
  • Ciências Biológicas
  • Ciências da Saúde
  • Ciências Exatas e da Terra
  • Ciências Humanas
  • Ciência Sociais Aplicadas
  • Engenharias
  • Interdisciplinar
  • Lingüística, Letras e Artes
  • Humanas
  • Linguagens e seus códigos
  • Ética e Cidadania
  • História e Cultura Africana
  • História e Cultura Indígena
  • Educação Ambiental
  • 1ª Série
  • 2ª Série
  • 3ª Série
  • Licenciaturas

Renato Noguera, Marcos Barreto

https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/childhood/article/view/36200/26377

5 de setembro de 2018

Atribuição-NãoComercial CC BY-NC

0 comentário(s)